Boxe: Primeira selecção nacional portuguesa feminina

Portugal terá pela primeira vez uma selecção nacional feminina de boxe a competir fora de portas. É já neste dia 1 de Fevereiro que Maria do Mar Cavaleiro, campeã nacional de cadetes em 2017 (na categoria de 54 kg), Mariana Martinho, medalha de ouro no torneio “King of the Ring” e medalha de prata no Odivelas Box Cup que decorreu em Dezembro último, Tânia Pires de 29 anos e estreante em competição, Júlia Magalhães e Daniela Carriço e a “veterana” Leonor Agostinho, com 32 anos, partem para a Suécia, onde irão disputar a Golden Cup Championship, o torneio feminino de boxe Olímpico, que decorre de 2 a 4 de fevereiro.

Este torneio, que se realiza desde 2009, contará este ano com a presença de cerca de 250 atletas de 26 países, entre os quais se destacam Índia, Gana, Nigéria, Holanda, Escócia, Suíça, Inglaterra, Austrália, Estónia, Mongólia, Montenegro,para além de Portugal.

As boxeurs, com idades compreendidas entre os 16 e os 32 anos, figuram entre estudantes do ensino secundário, universitárias e trabalhadoras, em representação de dois clubes (6 boxeurs do Rounds Academy, Lisboa e uma do Boxe Serpa, no Alentejo), que em comum têm a baixa estatura (não ultrapassam 1,55 cm de altura) e de na bagagem não viajar qualquer superstição.

A seleção nacional feminina iniciou a sua preparação para este torneio há cerca de seis semanas, treinando cinco dias por semana e duas horas por dia. O trabalho destas atletas contou com a entrega e participação de um trio de treinadores (Luís Susete, Rui Carvalho e João Tiago Ribeiro), um preparador físico e nutricionista (António João Silva) e um responsável por recuperar as atletas de lesões (Nuno Aguiar).

João Bastos, responsável do Rounds Academy, clube de boxe sedeado em Lisboa, Campo de Ourique, responsável por seis boxeurs portuguesas que partem para a competição de boxe feminino manifesta-se crente na boa prestação desta seleção feminina que diz ser a primeira comitiva portuguesa 100 por cento feminina devidamente organizada a disputar uma competição internacional. Anteriormente já houveram outras atletas portuguesas a participar em competições internacionais mas de forma isolada e num número inferior.